quinta-feira, abril 26, 2007

Tribuna aberta

Desde o começo nosso blog foi aberto a todo tipo de informação. Por diversas razões, não é sempre que as contribuições chegam. Por isso, tentando ser um embrião do que há tempos sugere o nosso amigo Emir, do Blog do Tijuca, vamos abrir de vez pra que as pessoas falem o que quiserem sobre Polo aquático aqui dentro. Qualquer pessoa de alguma forma envolvida com Polo Aquático pode mandar seu artigo, seja de onde for. A única regra é não ter nenhum tipo de ofensa pessoal. Vamos ver se das informações pode sair algo como um Water Polo Development com algum desdobramento concreto. Quem sabe?

O Michel Vieira foi - e agora, voltando aos treinos, será de novo - um cracaço. Muita gente, na tentativa de desmerecê-lo, o qualifica como um louco, ou diz que ele fala demais. Talvez seja verdade, ou talvez seja a velha mania de rotular os dissidentes ao marasmo do pensamento comum. O que sei é que, se é louco (ou fala demais), é o tipo de louco que, quando está trabalhando, eu pergunto alguma dúvida de regra que tive, e o cara, mesmo ocupado, aparece em segundos com a versão em inglês da regra, avalia todos os cenários, se envolve. É o tipo de louco que faz diferença. É dele o primeiro artigo. As colocações são polêmicas? Então comente, diga o que você acha. Você concorda ou discorda?

E depois não esqueça: mande seu artigo, fale sobre a realidade do Polo Aquático onde você mora, elogie, critique, dê sugestões. Com vocês Michel Vieira:

Fala Hélcio,

Obrigado pelo espaço. Eu vou tentar ser o mais breve possível. Eu enxergo a relação do pólo aquático com a Confederação da seguinte maneira:

O pólo aquático é um paciente em coma, respirando por aparelhos num hospital chamado CBDA. Os médicos responsáveis por esse doente são absurdamente incompetentes tanto no diagnóstico da doença como no tratamento dela. Além disso, são preguiçosos. A cura não é fácil, então para curar esse doente, é preciso trabalhar duro, pensar, desenvolver tratamentos mais eficientes e ao mesmo tempo mais baratos, pesquisar remédios mais em conta, etc. Mas a incompetência, falta de conhecimento do assunto e vontade de fazer o seu trabalho é uma doença ainda pior do que a do paciente. A essa receita de desastre some-se a arrogância desses doutores que vem cuidando desse paciente pelos últimos 15 anos ou mais e quando perguntados sobre o porquê desse paciente nunca ter apresentado o mínimo sinal de melhora, se defendem usando sempre a desculpa de que já fazem o melhor possível, dentro das condições que lhe são dadas.

Vou convidar o leitor a analisar comigo o diagnóstico desses médicos:

Para esses doutores, quando o paciente perde de 10 gols de diferença de um país da Europa, não há nada demais. O paciente está estabilizado. Mas se esse mesmo paciente perder de 1 gol a partida final do Sul-americano de esportes aquáticos, as luzes vermelhas todas se acendem, os alarmes de emergência todos tocam e os médicos entram em pânico. Sem nenhum prévio treinamento na área médica, vejo que esses doutores estão dando pesos trocados para os sintomas descritos. Esse é só um exemplo de diagnóstico errado. Vai faltar espaço no arquivo se eu começar a enumerar outros: por exemplo, já foi dito por um desses doutores que a culpa é do paciente; ele é que não se esforça para melhorar. Essa semana mesmo foi dito mais uma vez, que a culpa é do paciente; ele que se casa muito cedo. Já foi dito que o Brasil é muito grande, e outras desculpas mais.

Vamos analisar o tratamento proposto:

Existe uma pílula chamada “Jogos Contra Equipes de Alto Nível” Os doutores vinham achando que gastar US$ 50.000 por 6 dessas pílulas (US$ 8.333,00/ pílula) era um bom tratamento para o paciente. O problema é que essa terapia vem sendo usada desde que o paciente nasceu e não apresentou resultado nenhum. O bom senso de não incorrer no mesmo erro mais de uma vez condena esse custoso tratamento. Eu acredito que existam maneiras mais em conta de se adquirir esse medicamento. Minha sugestão de tratamento: Convida-se uma equipe de alto nível para passar 2 semanas no Brasil treinando 2 vezes por dia. Pelas minhas contas, serão pelo menos 15 pílulas. Vamos às contas então:17 pessoas a uma diária de US$ 50 ao dia por pessoa custarão mais ou menos US$ 10.000 ao final de 12 dias. Uma média de US$ 667,00 por pílula. Os valores acima não foram inventados. Foi quanto custou trazer uma equipe Máster da Romênia para São Paulo 60 dias atrás. Detalhe: com a delegação romena hospedada em hotel! Então não falta dinheiro; o que falta é um mínimo de inteligência, criatividade, trabalho duro e principalmente, vontade de fazer as coisas melhorarem.

Agora vou me dar ao luxo de antecipar as críticas dos imbecis de plantão:

“O Michel coloca as coisas como se fossem muito fáceis porque ele não está lá na Confederação.”

Vou então copiar um trecho do começo do artigo lá em cima e colar aqui embaixo:

“A cura não é fácil, então para curar esse doente, é preciso trabalhar duro, pensar, desenvolver tratamentos mais eficientes e ao mesmo tempo mais baratos, pesquisar remédios mais em conta, etc.”

Outra: “O Michel fala como se fosse o dono da verdade!” Não, eu não sou dono da verdade. Só estou fazendo a minha parte em tentar melhorar o pólo aquático brasileiro colocando minhas idéias em debate. Você tem interesse em que o pólo melhore? Estou disposto a trocar opiniões e sugestões com você. O que não funciona é ficar apontando erros o tempo todo, e não apresentar sugestões. Você se torna parte do problema quando faz isso. Por exemplo, não me disponho a debater tratamento ou diagnóstico com nenhum dos médicos desse hospital chamado CBDA porque já ficou mais do que claro que eles não têm interesse em que esse paciente receba alta. E ao mesmo tempo se qualquer outro doutor for dar uma olhada nesse paciente, é tão fácil que ele melhore que a incompetência e falta de interesse dos doutores ficará muito flagrante.

Hélcio, existem ainda outros assuntos que gostaria de abordar, mas infelizmente o tempo e o espaço não me permitem. As pessoas podem ter a impressão errônea de que é tudo culpa da nossa confederação, o que não é verdade. O tiro de misericórdia foi dado por nós mesmos quando alguns clubes partiram para a política de desmontar outros clubes ao invés de investir na própria escolinha. Vide o que foi feito com o Guanabara. Eu havia alertado para isso no meu primeiro artigo alguns anos atrás, e o resultado não tardou a aparecer. Mas infelizmente o efeito foi catalisado quando ao mesmo tempo, o Canadá se cansou de apanhar do Brasil e começou um trabalho sério. O resultado foi visto em cadeia nacional há uns 3 meses atrás.

Gostaria de terminar esse artigo lançando uma última opinião. Eu já defendi algumas vezes a teoria de que o pólo não deveria estar viajando todos os fins de semana de avião. E que na medida do possível, atletas deveriam abrigar outros em casa durante os fins de semana para economizar em hotel. Por um simples motivo: O pólo aquático é um esporte pobre! Não me interessa se falta verba ou se ela é mal empregada, meu ponto é que se essa verba pudesse ser usada trazendo técnicos estrangeiros para dar seminários, equipes estrangeiras para treinar; acho que o esforço feito e a falta de conforto momentânea terão valido a pena. De novo algum imbecil de plantão:

“Mas a Gol vende passagem por R$ 79,00 e a CBDA tem convênio com hotéis!”

Companheiros, primeiro; não se esqueçam de que a Confederação é uma entidade pública que lida com grande quantidade de dinheiro público. Se alguém conhece alguma instituição pública que não seria reprovada nos primeiros 15 minutos de uma auditoria idônea, por favor me apontem. Eu mesmo gostaria de conhecê-la. Segundo: eu mesmo viajei pela seleção antes do pré-mundial no Rio e garanto que não é esse o valor que a CBDA paga por uma ponte aérea. Fora outros absurdos que vêm acontecendo nas últimas viagens que não vou citar aqui, por não os ter presenciado. Só gostaria de deixar os dirigentes da confederação sabendo que os atletas notam quando existem pessoas sem função misturadas a uma delegação, principalmente se são numerosas. Notam também quando essas pessoas são parentas de dirigentes ou funcionários da Confederação. Notam também quando essas pessoas participam com muita freqüência de atividades fora do hotel no qual a delegação está hospedada; jantares, por exemplo. E que vêem facilmente que nesses eventos é sempre feito questão de se pegar todas as notinhas, as quais eu não acredito que vão ser apresentadas pra esposa em casa, quando regressarem ao Brasil. Não estou afirmando que isso aconteceu agora em Sidney ou em Montreal ou na última liga mundial. Afirmo e assino embaixo duas coisas: eu já presenciei esses incidentes em viagens nas quais tenha participado e que esses comentários não são isolados; todos os atletas comentam isso, sem exceção.


Obrigado mais uma vez pelo espaço companheiro, e boa sorte aí no Ceará.

Michel Vieira.

PS - Na foto tirada em recente evento na Paraíba organizado por Leo Vergara, que contou a presença de vários jogadores de São Paulo, Michel está com o árbitro Mac e com os irmãos gêmeos Marco e Franco, seus grandes amigos da época de Guanabara.



7 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Nunca vi um diagnóstico tão perfeito de uma doença que se arrasta por anos a fio...parabéns pela clareza...ass:um atleta da seleção!!!

26 abril, 2007  
Anonymous Alessandro said...

Na foto poderiamos dizer q formam o QUARTETO FANTÁSTICO ou até o QUADRADO MÁGICO do Pólo aquático (considerando o Mac à sua época (rsrs) !!

26 abril, 2007  
Anonymous Duda said...

Excelentes colocações, meu camarada!
Devo acrescentar que o trem da alegria não é privilégio da sua geração.
Na minha época(76 a 88)de seleção, esse trem já existia.
Lamentavel.

26 abril, 2007  
Blogger Emir said...

Prezados Hélcio e Michel, primeiramente parabéns pela iniciativa. Segundo acredito que as declarações do Michel foram muito felizes. Como venho dizendo já há algum tempo, falta iniciativa, criatividade e muitas outras coisas. Mas, para que isso aconteça, é preciso trabalhar. De acordo com um artigo postado no blog do Tijuca, a Argentina acabou de criar uma Liga. Já estou prevendo para que em menos de 2 anos eles comecem a nos vencer sem dificuldades, é só ver o exemplo do basquete. Portanto meus amigos só vejo uma solução para nossos problemas, somos nós mesmos que temos que fazer a REVOLUÇÃO. Da mesma maneira que os blogs hoje são uma realidade,não temos mais que esperar ninguém. Por isso, sugiro que viabilizemos uma data dentro do PAN para um grande debate a nível nacional. O que vocês acham?

27 abril, 2007  
Blogger Ricardo said...

Michel é um cracaço, é louco, fala demais (às vezes) e é gente finíssima (sempre).
Abração,
Perrone

27 abril, 2007  
Blogger chapada 2007 said...

MICHEL, the legend!!!
parabens meu velho,
e por favor fale muito mais

[]s

Bruno

30 abril, 2007  
Blogger benedek said...

Nao tem como dizer que até hoje ele ainda é um puto jogador de peso
que faz a diferença no brasil e um craque que aprendeu muito dentro dagua e os jogadores da seleção precisame dele na posição tambem até hoje sente quando vai jogar contra polemico michel,valeu pela ótima entrevista

01 maio, 2007  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home