quinta-feira, maio 31, 2007

Polo Aquático?

Temos dois problemas bastante sérios pro desenvolvimento do Polo Aquático em Fortaleza: o time mais próximo pra treinarmos é o de Natal, que está a um pouco mais de 500 km, mais ou menos a distância entre Rio e São Paulo. O segundo problema é que nós, os masters, que coordenamos o processo, estávamos em média há 15 anos parados, ou seja, jogamos um Polo Aquático fora da realidade atual, e tentamos, através do que vemos em vídeos ou do que aprendemos por email ou nos blogs, nos adequar à nova realidade.

Como nossa meta é formar novas gerações para que tenhamos com quem jogar, e para que o Polo Aquático sobreviva, precisamos qualificar treinadores. Em julho teremos essa oportunidade com uma clínica ministrada por um grande técnico. Ele virá com passagens e honorários pagos pela CBDA, e a hospedagem será dada pelo Náutico, clube onde treinamos, já que a federação local alegou estar "em crise".

Coube a Federação dois trabalhos: enviar à CBDA o ofício pelo Náutico e arrecadar. Iremos pagar R$ 10,00 por atleta. Ainda tivemos que ouvir a piadinha: "Vocês não se zangam em pagar menos que outras modalidades né?". Se referiam a crítica que fiz ano passado sobre os R$ 5,00 cobrados. A questão não é pagar 5 ou 500, é pagar o preço justo a quem merece. Ano passado os R$ 5,00 foram de esmola, já que não tivemos nenhum apoio, de forma alguma. Esse ano eu pago os R$ 10,00 feliz, mesmo que a federação não tenha colaborado em nada, porque me considero pagando por uma clínica muito importante pra gente. Temos atletas de baixa renda a quem R$ 10,00 fazem diferença. Vamos dar jeito nisso sem problema.

Mas a grande questão deste post é a ficha acima. Na ficha de federação de atletas da Federação de Desportos Aquáticos do Ceará simplesmente não existe Polo Aquático nem Saltos Ornamentais. Na minha ficha escrevi bem grande Polo Aquático e marquei. No sistema não vai entrar porque não existe a opção. Certamente entrarei como Natação. Alguém precisa de prova mais evidente que a Federação despreza completamente o Polo Aquático?

quarta-feira, maio 30, 2007

Vídeos

Com a profusão de blogs a tendência é de também aumentar a produção de vídeos de Polo Aquático. O Blog do Paineiras se caracterizava por postar muitos vídeos. Pra nossa alegria o Gu voltou à ativa, postando alguns lances do jogo de juniores entre Tijuca e Paineiras.



O vídeo abaixo é de Santa Catarina, de um jogo em que quem perdesse se responsabilizava pela clássica cervejinha depois. Termina com um muito bom "eu bebo mas não pago" do time vencedor.



E, só por curiosidade, o vídeo abaixo mostra como não é difícil criar uma estratégia de popularização do Polo Aquático. Atletas do Vasco de alguma outra modalidade se divertem (muito!) na piscina com uma bola e um gol marcado por cadeiras de plástico.

Imagina se você começa algo assim, de forma lúdica, com crianças ou adultos, depois vai inserindo aos poucos um movimento correto, as regras, vai selecionando os que se destacam. Os que continuassem poderiam vir a ser atletas. Os que desistissem, entenderiam o jogo pelo resto da vida, e formariam um público eventual cada vez maior, tornando o water polo gradualmente mais e mais comercializável.

terça-feira, maio 29, 2007

Baú do Allemander

Seleção brasileira, campeonato sul-americano de 1976, Maldonado, Uruguai. Nossos dois goleiros eram esses que posam na foto acima: Luizinho e Allemander.
Nesta foto o Rochinha - hoje mais conhecido como Rick Azevedo, técnico da seleção norte-americana de Polo Aquático e pai de Tony Azevedo, na opinião de muitos, um dos 10 melhores atacantes da atualidade -, Carlinhos - técnico do Fluminense e por muitos anos da seleção brasileira -, Allemander e o assistente técnico Bonfim.

Agradecemos ao amigo Allemander, que em Natal dividiu com o Robert a função de defender o gol do Rio Masters, pela gentileza de enviar as fotos. Graças aos que fizeram história, praticantes de todo Brasil vão conhecendo melhor o nosso esporte.

segunda-feira, maio 28, 2007

Pro Recco x Brescia



Veja ao lances e vá ao Blog do Fluminense ler as observações feitas pelo Carlinhos, que teve o privilégio de assistir o jogo ao vivo.

Mais uma do Luizinho

Agora ele resolveu abrir o arquivo de vez. Olha a galera toda sem protetor de orelha no 1° Mundial, no México, em partida vencida contra o Canadá. Além do Luizinho no gol, está també m na foto de 1973 o então capitão da seleção Pedrinho.

1979

Eu citei aqui que uma das primeiras referências que tenho de Polo Aquático foi uma revista Manchete Esportiva que guardei por muitos anos, e tinha a foto do Luizinho, de bigode, ao fundo. O Luizinho mexeu em seus arquivos, encontrou uma Manchete Esportiva de 1979 de uma partida da seleção brasileira contra o Spandau 04, então melhor time na Europa.

Chutando está o craque alemão Frank Otto e na defesa Ricardinho - jogou pelo Rio Masters mês passado em Natal - e Álvaro Sanchez.

Aproveito pra provocar o grande Luizinho afirmando que neste arquivo deve ter bem mais informação legal e que estamos abertos a tudo que ele ou outras pessoas enviarem. Aliás, amanhã vou postar umas fotos enviadas pelo outro goleiro brasileiro que tem nos dado grande força: o Allemander.

domingo, maio 27, 2007

Haba Waba Festival

Ricardo Perrone, por todos os méritos que tem no Polo Aquático e por sua voluntariedade, está em contato direto com o seletíssimo grupo do Water Polo Development. Os caras lá - "os caras" mesmo, não tem penetra na lista - se uniram com separação de tarefas, público-alvo e definição de metas como, por exemplo, levar o Polo Aquático a países onde a modalidade inexiste ou atrair mais espectadores aos jogos. Resumindo, querem ver o esporte crescer.

Eles estão organizando o 1° Haba Waba Festival, em junho na Eslováquia. A idéia é reunir 500 meninos e meninas de 8 a 9 anos, de diferentes países, jogando em equipes de quatro na linha e um no gol, além dos quatro no banco. Dos nove jogadores, pelo menos 3 devem ser meninas. Há toda uma estrutura montada para o evento.

Vale a pena entrar no site e conhecer o projeto, já contemplando inclusive diferentes formatos de patrocínio. O negócio é sério. Assim como aqui, lá dinheiro também não brota do chão e, por isso, em vez de se lamentarem, eles se organizam e fazem parcerias que viabilizam as iniciativas. Neste projeto o Water Polo Development está junto com a Liga Européia de Natação - ao contrário da CBDA, eles levam o Water Polo a sério -, Turbo e Unicef.

O Polo Aquático brasileiro jamais irá se desenvolver um centímetro sequer se continuar nas mãos dos atuais dirigentes. Jamais.

sábado, maio 26, 2007

Blogs resgatam história do WP



O El Cuervo listou 15 gols pra que você vote no mais bonito. Veja o vídeo acima, vá lá e vote. Mas você sabe quem é o cara por trás do El Cuervo? É o treinador do Sabadell - isso eu soube pelo Blog do Fluminense -, o goleiro da foto abaixo na seleção espanhola junior de 1983.
A foto abaixo, entre outros, tem o Estiarte (segundo em pé da esquerda pra direita) e o atual técnico da seleção espanhola Rafa Aguillar (último agachado à direita).
Manel resgatou um velho VHS com a final entre Espanha e Cuba na final do mundial junior.


Vai lá no El Cuervo que tem mais, e tudo despertado por mais um dos fantásticos posts do Water Polo Legends, de autoria do treinador grego Yannis Giannouris.

sexta-feira, maio 25, 2007

Water Polo e o marketing

O post anterior da academia que está ganhando dinheiro vendedo Polo Aquático apenas como uma atividade lúdica, somado ao comentário do amigo Emir de que o Tijuca aumentou em 140% o preço da escolinha de Polo Aquático (acredito que os atletas não paguem nada) para os associados, evidenciam mais uma vez como está tudo errado. O Polo Aquático não tem que ser oferecido como favor, tem que ser entendido como uma atividade que dará retorno desde que trabalhada com um mínimo de competência, ou então é melhor desistir.

Nos anos 80 eu adorava ouvir repetidas vezes como o Zsabo quebrava traves com seus chutes, ou arremessava a bola da piscina ao campo de futebol do Fluminense ou do Guanabara ao Botafogo. Se isso era verdade não sei, mas esse é o charme de todo folclore. Também adorava assistir ao comercial de TV da Kolynos de um jogo na praia que passava o tempo todo.

O que quero dizer é que, com planejamento, você atinge o imaginário popular, seja com um investimeto grande, seja no velho boca-a-boca. Tudo bem que a CBDA realize a Taça Brasil numa piscina em obras, promova eventos fantasma em diversos estados brasileiros existentes apenas no calendário oficial, e que não tenha sequer um assessor de imprensa pra divulgar um evento como o Troféu Basil, ano passado, com alguns dos melhores jogadores do mundo. De fato fica difícil acreditar em algo como um planejamento mínimo de marketing.

Mesmo assim seguem abaixo dois exemplos de vídeos virais utilizando esportes de ação com fins exclusivamente comerciais, se apropriando do que esses esportes têm de mais legal. No segundo caso é a Quicksilver, empresa bem focada em surf. No primeiro é o Sprite Zero, uma marca que, como tantas outras, quer agregar valor criando um link de sua marca com esportes de alto rendimento, como bem poderia ser com o polo aquático.

Claro que não cabe à CBDA nem aos clubes fazer vídeos como esse. Cabe a eles motivar a base da prática de esporte, com atividades lúdicas, clínicas, escolinhas, e fazer do Polo Aquático um esporte mais conhecido, mesmo que sem nenhum aprofundamento, para torná-lo cada vez mais, aos poucos, viável e interessante comercialmente. Ou alguém acredita que seja mais divertido para um leigo assistir a uma competição de natação ou a um jogo de golfe, por exemplo, do que a uma partida de polo aquático?



quinta-feira, maio 24, 2007

Polo aquático é viável

Taí. Uma academia do Rio está fazendo o óbvio. Sem se preocupar em formar atletas de ponta, está oferecendo diversão através do Polo Aquático. Isso é muito natural. Embora em algumas regiões do Brasil esteja fazendo frio nesta época do ano, nosso país é em sua maioria tropical e estar dentro de uma piscina é muito prazeroso. Se uma criança puder brincar de fazer gol na piscina, melhor ainda. A dinâmica é compreendida imediatamente.

Ao contrário da academia, que tem um cara lá que deve ter que ser obrigado a criar atividades lucrativas que movimentem a clientela, nosso polo aquático continua no mesmo marasmo. O Pan e nada é a mesma coisa. A responsabilidade fica apenas pras nossas seleções que vao dentro da água encarar seleções de países onde o esporte é levado a sério. Que o talento de nossos atletas se sobressaia e, como bem disse o Shalon citando Nelson Rodrigues, que o Sobrenatural de Almeida nos ajude.

Maratona de Sergipe

Desculpem a informação errada. A maratona será no dia 16 de junho, aberta a quem quiser participar, federado ou não. Mais informações no Blog de Sergipe. Na foto o time do Graccho Club.

quarta-feira, maio 23, 2007

Norte/Nordeste em Sergipe

Recebi hoje pela manhã do amigo Thiago Davis o cartaz e o regulamento do N/Ne de Polo Aquático masculino (89) da CBDA, que acontecerá de 7 a 10 de junho em Sergipe. Na mesma data será realizada uma clínica de arbitragem com o árbitro da CBDA e FINA Roberto Cabral, ao custo de R$ 50,00 por pessoa.

Representando o Ceará estará a equipe do colégio Ari de Sá, levada quase que na marra pelo treinador Rodrigo Barroso. Infelizmente a melhor equipe daqui na categoria não terá condições de arcar com os custos de viagem nem de federação. A molecada do Náutico, os vulgo "Leprentos", vão esperar na fila.

Salvo engano, será na mesma época do evento que o pessoal de Sergipe irá fazer uma maratona de Polo Aquático com dois times jogando sem parar durante oito horas seguidas, seguindo um modelo muito bem-sucedido em Brasília, organizado pelo Brigadeiro.

E falando em Brigadeiro, a CBDA e as federações parecem que estão aprendendo algumas lições importantes com o Circuito. Em vez de centralizarem em seus gabinetes a organização de eventos fantasmas, estão delegando tarefas a quem tem de fato representatividade dentro do Polo Aquático. Tudo indica que caberá ao Brigadeiro organizar o Sul/Centro-Oeste. Se for verdade, vai dar certo. Eu aposto.

terça-feira, maio 22, 2007

Leia e aprenda

A introdução da entrevista com Nicola Stamenic é de autoria de Michel Vieira. Divirta-se.

Fala Hélcio,

Só para colocar a entrevista num contexto, de 1984 a 1991, a seleção iugoslava praticamente ganhou todas competições das quais participou. Isso durou até a guerra que destroçou o país. Após 4 anos sem competir, a Iugoslávia, já separada da Croácia mandou uma equipe a Universíade de Fukuoka em 1995. Dá para imaginar a surpresa do mundo inteiro quando os iugoslavos levaram a medalha de ouro. A primeira vez que encontrei o time iugoslavo adulto numa competição foi no pré-olímpico de Berlim em 1996. Não há como negar que minha primeira impressão desse time foi bem diferente da que eu tive através da televisão. O time iugoslavo consistia de um bando de garotos que mais parecia saído de um cursinho pré-vestibular. Os únicos jogadores remanescentes da antiga equipe eram o Milanovic e o goleiro Sostar.


Mas o que me impressionou foi o alto grau de obediência tática desse time. Eles tinham um sistema de jogo muito poderoso e eram completamente fiéis a ele ganhando com folga esse pré-olímpico, batendo a Grécia na final. Só a título de informação; cada jogador grego que participou desse pré-olímpico ganhou US$ 20.000 mais uma franquia de loja lotérica pela classificação. Voltando ao assunto, essa entrevista aconteceu mais ou menos no começo de 2000. Nicola Stamenic sucedeu Ratko Rudic como técnico da antiga Iugoslávia em 1989, permanecendo nessa posição até 2001. Alguns dos seus títulos incluem ouro na Copa Fina em 1989, ouro nos Goodwill Games em 1990, campeão mundial em 1990 e campeão europeu em 1991.


Ioguslávia de Stamenic na final mundial contra Espanha - 1991


Essa entrevista foi concedida por volta de 2000 a Bruce Wigo, na época diretor executivo da USA Water Polo.

Espero que seja útil não só aos técnicos do Brasil terem acesso a mente de um técnico campeão do mundo mas também aos atletas brasileiros, que terão uma boa idéia da necessidade e importância de jogar em equipe.

A versão original em inglês tá no site: http://www.swimmingcoach.org/articles/9803/9803_4.htm

Nicola Stamenic:

Bruce Wigo – Uma das grandes virtudes da Iugoslávia é o homem-a-menos (HA-). Nesse último Europeu você permitiu aos húngaros um único gol de homem-a-mais (HA+) de 13 tentativas. Você pode nos dizer como conseguiu ser tão bem-sucedido contra os húngaros?

Nicola Stamenic - Bem , na verdade, não permitimos nenhum gol de HA+. O gol deles veio quando eles estavam com 2 HA+. Mas sendo sincero, é uma questão difícil de responder.

BW- É segredo?

NS - Não! Acredito que seja necessário somente ter bons técnicos. É bom para o esporte. Se existe um segredo, é que demora 10 anos ou mais para desenvolver jogadores capazes de desempenhar uma boa defesa. Esse é o segredo.

BW – Mas o que seria então uma boa defesa? Seria mirar em jogadores como Tibor Benedek (que alguns consideram o jogador mais perigoso do mundo em um HA+) ? Nessa final sua estratégia foi pressionar ele para que ele não finalizasse?

NS – Em primeiro lugar, é preciso entender que uma boa defesa só é possível quando os jogadores como os quais você está trabalhando tem fortes fundamentos defensivos. Não se constrói um arranha-céu sem uma fundação sólida, aço resistente e um bom material. O técnico é o engenheiro e os jogadores não são somente o material, mas ao mesmo tempo, operários e mestres-de-obras. Então, os jogadores precisam ser inteligentes e capazes de entender o plano de obras. O técnico seleciona o material e precisa garantir que ele vai satisfazer as exigências da estrutura. Se um vento forte vem e derruba a estrutura, a culpa é do engenheiro.

BW – Você poderia ser um pouquinho mais especifico?

NS - Como eu disse antes, sou formado em engenharia mecânica e provavelmente vejo as coisas de um ponto de vista diferente dos outros técnicos. Eu vejo as coisas do ponto de vista de um engenheiro. Eu lhe disse que sua questão era difícil então lhe peço para me permitir responder as coisas à minha maneira.

BW – Por favor, continue.

NS – Praticamente todos os países empregam estruturas similares de HA+ e HA-. O ataque usa uma estrutura 4-2 e a defesa usa uma marcação por zona 3-2. É a qualidade do material e a maneira como o 3-2 é construído que faz a diferença. Os jogadores tem que ótimos fundamentos. Devem ser capazes de entender as responsabilidades de cada posição defensiva e as possibilidades que podem ser criadas por cada posição ofensiva. Devem também entender que é o trabalho de equipe que vai permitir a eles barrar o avanço adversário. Em Sevilha, não encarávamos Benedek com um jogador chave, mas obviamente sabíamos a posição na qual ele jogava e do que ele era capaz. Mas de maneira nenhuma mudamos a estrutura do nosso sistema por causa dele.

O sistema não marca Benedek; marca um individuo com qualidades biomecânicas únicas que cria determinadas oportunidades e possibilidades para o HA+ húngaro. A singularidade de cada time, criada pela soma das diferentes biomecânicas de cada jogador é o meu foco como treinador e o que espero que meus jogadores também sejam capazes de perceber. Não se pode destruir um prédio e no dia seguinte colocá-lo em pé de novo. Um bom sistema irá se adaptar e encontrar soluções para os problemas criados por cada oponente.

BW – Então o segredo é observar o outro time?

NS – Isso é essencial. Mas você tem que entender o que você vê. O que faz um time mais bem-sucedido do que outro? Porque alguns jogadores marcam mais gols do que outros? Acredito que a resposta está na biomecânica do jogador. Qual a posição do corpo dele na água? Ele chuta em posição horizontal ou vertical? Qual o seu movimento de chute? É por cima da cabeça? ¾ do movimento? Lateral? Ele se move para a direita quando chuta? Ou para a esquerda? Como ele evita o defensor quando chuta? Qual a variedade de chutes que ele apresenta? Marcando tantos gols, é culpa mais do defesa ou do goleiro?

Assim que você for capaz de responder essas questões, então você pode decidir a melhor maneira de armar sua defesa. Como posicionar cada jogador? Qual braço levantar? Atacar a bola ou o braço do atacante? Levantar um ou dois braços? Esse tipo de informação é que você precisa saber e comunicar ao seu time. Se o goleiro e os defensores sabem ler a biomecânica do chutador e reconhecer as tendências de chute deste assim que o virem, e souberem reagir corretamente; eles podem razoavelmente prever quando e aonde o chute será efetuado e ter uma chance razoável de bloquear esse chute. No vídeo “Ball Handling Skills” do Farago, ele diz que o goleiro jamais conseguirá ser mais esperto que um chutador. Eu não concordo com isso.

BW – eu acho que ele disse isso no sentido de que o chutador deve ser confiante.

NS – Eu entendo mas não concordo com esse pensamento. Primeiro, isso enfatiza o individual sobre a equipe. Você não precisa de chutadores espertos se o time for capaz de levar a bola ao jogador melhor colocado para marcar um gol. Segundo isso ignora o fato de que o goleiro pode analisar a biomecânica e estudar a tendência de chute do chutador. Dessa maneira, acredito que o goleiro pode ser mais esperto. Muitas vezes eu vejo um jogador que pensa q é mais esperto que o goleiro e freqüentemente o goleiro defende o chute desse jogador.

BW – você não gostou da fita do Farago?

Não é isso. Eu a acho fantástica e necessária para os jogadores jovens. Ao contrário dos esportes de terra, como futebol e basquete, o pólo aquático tem tempo de treinamento limitado e após 2 horas de treino você está fora da piscina. Você não consegue atravessar a rua e bater uma bola com os amigos como nos outros esportes. Grandes jogadores não se tornam grandes durante o treino. Tornam-se grandes treinando fora do horário normal de treino. A fita do Farago é ótima porque mostra a importância disso e como treinar fora do horário normal de treino. Jogadores têm que treinar fora do horário de treino. Existem algumas técnicas que eu ensino de maneira diferente e ele ensina da maneira dele, mas não há duvida do grande jogador que ele foi.

BW – se você não se importar eu gostaria de voltar ao HA-. O quão importante são as estatísticas por jogador e da equipe inteira quando você observa uma equipe?

NS - Estatísticas podem lhe dizer o que aconteceu, mas não dizem o porque de algo ter acontecido. Porque coisas acontecem é o mais importante. Assim que descobrir porque as coisas acontecem, é possível pensar numa estratégia para mudar as estatísticas a seu favor. Estatísticas após você ter colocado sua estratégia em ação é que contam. São elas que irão confirmar o sucesso da sua tática e estratégia. Por exemplo, digamos que você vai jogar com um time que normalmente converte 40% dos HA+. Você analisa as combinações e possibilidades desse HA+ e estuda a biomecânica de cada atacante. Então você monta uma estratégia para reduzir a taxa de acerto desse HA+. Se a taxa de acerto cai para 20%, essa estatística confirma que sua estratégia foi eficiente e você provavelmente ganha o jogo. Se você consegue que o outro time não marque nenhum gol de HA+, sua estratégia foi perfeita. Perfeição deve ser sempre a meta, mesmo que você saiba que jamais vai atingi-la.

BW – Mas estatisticamente falando, você atingiu a perfeição em Sevilha.

NS - Estatisticamente, em uma categoria aconteceu uma confirmação numérica da perfeição, mas nossa defesa esteve longe de ser perfeita. E o resultado final foi que nós perdemos o jogo (a final do europeu de Sevilha em 1997 foi Hungria 3x2 Iugoslávia). Isso é perfeição? No final; a estatística mais importante e a única que conta, é o placar final da partida.

BW - Você coloca muita ênfase no Sistema. Você poderia falar um pouco mais disso?

NS - O Sistema é simplesmente tudo. Pólo aquático é um esporte de equipe no qual os jogadores são interdependentes. É possível que você tenha um jogador no time que seja o mais hábil e talentoso do mundo, mas se ele não joga de acordo com o sistema – se as ações dele são imprevisíveis para os seus companheiros de time, o sistema irá falhar e o time fatalmente irá perder. Quando jogador, eu me achava muito acima da média e ao mesmo tempo desprezado e sub-valorizado pelo meu treinador. Eu não gostava do meu treinador por ele nunca ter reconhecido meu talento. Mas a culpa foi minha, porque como jogador, eu não fui capaz de reconhecer a importância de um sistema. Esse treinador se chamava Vlacho Orlic, o qual eu hoje considero a mente mais brilhante no mundo do pólo aquático. Um verdadeiro gênio

BW – O Sr. Orlic está aqui. Qual a função dele?

NS – ele age como um conselheiro para o time

BW – como se fosse um mentor?

NS – Sim. Como eu disse antes, ele é um gênio. Ele se tornou famoso como técnico do Partizan, equipe 6x campeão da Europa. Também foi técnico do time olímpico em 1972 e 1976. ele é responsável pelo sucesso do pólo aquático iugoslavo e foi também o mentor de Rudic, Silic e de muitos outros grandes técnicos.

BW - Você poderia falar um pouco mais dele?

N - Orlic é da histórica cidade portuária de Dubrovnik, Croácia. O fato de ser croata de maneira nenhuma mudou seu status na federação iugoslava de pólo aquático. Ao mesmo tempo, isso não faz com que ele tenha inimigos na Croácia. Ele está acima de qualquer política. Pólo aquático tem sido sua vida; e em suas próprias palavras, sua religião. Ele é formado em medicina, mas nunca praticou medicina tendo sido sempre treinador.

Após terminar minha carreira como jogador, fui convidado por ele para ser técnico da escolinha. Ele está em constante procura por bons técnicos e eu fui um dos muitos q ele recrutou. Ele seleciona aqueles com maior potencial para serem técnicos do júnior dos clubes e da seleção. Para garantir sucesso continuado, ele acredita que devam existir renovação e material humano disponível, tanto de técnicos como de jogadores. Ele é agora técnico do Becej e levou o time ao Final-Four do europeu ano passado (Nota: o Becej foi campeão europeu de 2000, poucas semanas depois dessa entrevista). Ele está procurando alguém para me substituir depois das Olimpíadas de Sidney e eu conheço e entendo seu sistema. Ele disse ainda não ter encontrado a pessoa, mas quando encontrá-la, eu sei que será a minha hora de sair da seleção.

BW – Eu gostaria de falar com ele. Sr Orlic, o que faz de Stamenic um grande técnico?

Orlic: Poucos técnicos trabalham de acordo com as regras ditadas por uma ciência. Ele é um dos poucos técnicos que conheci que tem um diploma universitário e que trabalhou no seu ramo. Ele é um engenheiro e essa experiência como engenheiro lhe deu uma base especial para olhar para o pólo aquático e analisar habilidades individuais. O motivo de ele dar tanta ênfase aos fundamentos é que ele sabe que precisa escolher os melhores tijolos pra sua construção. Ele é sem dúvida, o melhor técnico do mundo quando se trata de entender e ensinar fundamentos e táticas individuais.

BW – foi esse o motivo que o levou a convidá-lo a ser técnico 20 anos atrás?

VO – Não… ele foi um de vários jovens técnicos. É muito mais difícil encontrar bons treinadores do que bons jogadores. O treinador não tem que ser somente um homem de conhecimento, mas precisa também ser um homem de personalidade. Ele deve ser capaz de liderar e ganhar a confiança das pessoas que trabalham com ele. São necessários muitos anos para saber se uma pessoa reúne essas qualidades e para isso, tem-se que escolher muitos jovens técnicos, e ele foi um dos escolhidos.

BW – como foi seu progresso?

VO – ao fim da sua carreira ele já era jogador e treinador de um de nossos clubes. Assim que se aposentou como jogador, ele começou sua carreira profissional mas continuou com o pólo aquático trabalhando com jogadores muito, muito novos. Eu o observei desenvolver esse grupo por 5 anos e ficou óbvio para mim que ele tinha talento e que estava pronto pro próximo passo. Ele então assumiu um cargo administrativo na seleção infanto-juvenil e eu o trouxe para trabalhar comigo no Partizan. Por um ano, ele ficou somente observando como as coisas funcionavam e desempenhando tarefas administrativas. Em 1986, eu finalmente cheguei á conclusão de que ele seria nosso próximo técnico de seleção.

BW – Stamenic, você poderia me dizer como vocês interagem? Por exemplo se você discorda de algo que algo que Orlic lhe mande fazer, o que acontece?

BW – Como dito antes, considero Orlic um gênio não só no âmbito do pólo aquático. Ele trabalha como consultor para outros esportes em nosso país e até para o governo. Ele possui uma perspectiva única; diferente, de ver as coisas. Ele nunca me diz o que fazer. Ele apenas apresenta as coisas de uma maneira que faz com que venhamos a discutir o assunto e me faz pensar a respeito. Jamais é algo como “faça isso ou faça aquilo”. Nós colaboramos um com o outro e nem sempre concordamos em tudo mas o que quer que ele diga me faz parar para pensar no que ele falou. A sua presença é sempre bem-vinda e útil.

BW – A confiança tem que existir.

NS - Com certeza. Mais do que qualquer coisa, Orlic é uma pessoa ética. Não existem dúvidas quanto aos seus motivos, honestidade ou integridade. Tudo que ele faz tem como finalidade o bem do esporte pólo aquático.

BW – Stamenic, uma última pergunta. Vocês dois dão muita ênfase aos fundamentos. Existe alguma filosofia de ensino especial que você use? Como você aborda o ensino de fundamentos no treino?

NS – Muitos anos atrás, quando ainda era garoto, eu queria aprender a brincar com 3 bolas no ar ao mesmo tempo e queria ver quanto tempo isso me tomaria. Então eu peguei um relógio e 3 bolas e vi que precisei de 35 minutos para aprender isso. Alguns anos atrás eu queria provar algo a respeito de aprendizado. Eu disse a meus atletas que todos poderiam aprender a mesma coisa em 30 a 40 minutos de treino. Alguns quiseram desistir após 10 minutos mas eu os encorajei a continuar tentando. Todos aprenderam a técnica no tempo proposto. O que isso tem a ver com sua questão? Acredito que exista um período ou quantidade média de tempo estatisticamente comprovada para que os atletas possam aprender um as habilidades necessárias para praticar um esporte.

Algumas habilidades talvez precisem de somente uma hora, outras um ano, mas não existem atalhos. As habilidades individuais são as mais fáceis de aprender enquanto jogar em equipe demora mais tempo. Tem que haver um progresso - um sistema - de um tijolo sobre o outro. Deve-se planejar como se usar o tempo. Não se pode construir o quarto andar antes do terceiro.

BW - Então você sempre trabalha fundamentos durante o treino?

NS – Ao nível de seleção, os jogadores devem já ter aprendido os fundamentos porque estamos trabalhando no topo da cadeia. Mas sempre há espaço para tentar melhorar. 15 anos atrás eu comecei a praticar Aikidô e a filosofia dessa arte marcial tem influenciado minha vida e filosofia de treinamento de muitas maneiras. É interessante notar que aqueles lutadores mais graduados (faixas-pretas) sempre separam um tempo nas técnicas mais básicas, aquelas que se aprende no primeiro dia de aula. Eles fazem isso porque entendem que a posição do corpo e movimentos básicos são a chave para os movimentos mais avançados e que por mais anos que eles levem praticando isso, eles não conseguirão atingir a perfeição nesses movimentos. É claro que pode parecer perfeito para mim e para você, mas eles sabem que não é perfeito. De acordo com o Aikidô, a perfeição é um conceito idealizado que jamais será atingido. Somos seres humanos e jamais seremos perfeitos, mas é treinando com o ideal de chegar o mais próximo possível da perfeição, que lutadores se tornam grandes lutadores e equipes de pólo aquático se tornam grandes equipes de pólo aquático. Então nós treinamos os fundamentos às vezes somente para mostrar a importância disso nos conceitos técnicos e táticos mais avançados.

Existe algo mais que você tenha aprendido do Aikidô?

Outra coisa a respeito do Aikidô que tem sido muito útil para mim como treinador é o conceito de usar a força do seu adversário para sua própria vantagem. Esses princípios são especialmente úteis ao pólo aquático na posição de centro. É muito difícil usar força contra força, mas se o jogador sabe como usar a pressão e a força contrária para defender a vantagem adquirida, se tornará um jogador muito melhor. Eu acho esse conhecimento essencial e expomos nossos jogadores ao Aikidô para que entendam isso. Fora isso, o Aikidô me ensinou o conceito de pontos de contato.

BW – Pontos de contato?

NS – Por exemplo, a defesa Aikidô contra os golpes Yokomun é muito interessante. O golpe Yokomun é muito parecido com um passe ou um chute. Quando o movimento do golpe começa, o defensor se move em direção ao atacante e ataca diretamente o braço num ponto fraco. No pólo aquático, o chute ou passe pode ser atrapalhado. Levante seu braço para fazer um passe (nesse momento, ele ataca diretamente o meu bíceps e cotovelo). No pólo aquático, defensores freqüentemente tentam alcançar a bola quando eles deveriam atacar o braço que está mais fácil de ser atingido por estar mais próximo do corpo.

BW – bem, gostaria de agradecer ambos e espero que estejam gostando da visita.

NS – Estamos adorando. Muito obrigado.

Entrevista imperdível

O Blog do Fluminense traz excelente entrevista com os jogadores do clube pré-selecionados ao Pan: Beto Seabra, Quito, Marcelinho e Shalon. A falta de apoio é tão absoluta que os caras nem sequer sabem em que nível de preparação estão, afinal não treinam em conjunto com bola. Praticamente só nos resta desejar boa sorte a esses heróis.

Aliás, o Pan continua envolto por uma estranha névoa, como tudo o que se faz neste Brasil. Vale a pena dar uma olhada no blog A Verdade sobre o Pan, só com matérias divulgadas na imprensa.

domingo, maio 20, 2007

Ainda em Melbourne



Muitos lances legais do jogo entre Itália e Austrália, com destaque pro "brasileiro" Pietro (filho de Silvio Fiolo), touca 4 dos aussies.

sexta-feira, maio 18, 2007

Tribuna Livre - Paulo Pita & Guilherme Sari

A galera de Brasília tem um amor pelo Polo Aquático e um astral invejáveis. Muito disso se deve ao treinador Paulo Pita (lamento não ter foto dele, então as fotos são de atletas de Brasília). O cara é um gentleman, um profundo apreciador do esporte. Formou inúmeros bons atletas no feminino e no masculino. Leia abaixo o que o cara passa pra tocar o Polo Aquático. A partir de determinado momento, o embaixador do Polo Aquático de Brasília, Guilherme Sari, pai de Enzo e de outro menino que vem por aí, recebe o "passe" e emenda o texto. Vale a pea ler.

O polo aquático começou na AABB por volta de 1975 com o Azaury Berezowsky, que queria incentivar os nadadores no inverno. Naquela época não tinha piscina aquecida. Eu, Paulo Pita, entrei em 1977, estou fazendo 30 anos. Na época disputávamos o 3º com o Pará e a Paraíba nos JEB's, único evento. Participamos de Brasileiros, que eram um por ano, ou junior ou adulto.

Tínhamos de nos classificar no Norte-nordeste para ir no ano seguinte para o Brasileiro. Passamos para a ASBAC em 1980. Em 1984 foi a melhor fase pois fui para o Minas, o Ângelo (atual Botafogo) para a ASEEL, o Tatá na ASBAC e o Felipe Viviane no Iate/C do exército. Tínhamos muitos eventos e os clubes bancavam. Depois fiquei sozinho e a Fundação Educacional me mandou para Planaltina. Abandonei por 2 anos. Voltei e tivemos uma fase boa com o Oto (campeão universitário no CE,auxiliar-técnico na Universíades), o Maurício na UNB e consegui o DEFER/Minas.


Quando começou a Chapada e os Brasileiros firmaram todos os anos nas várias categorias, fomos 2 vezes vice e uma 3º no Brasileiro junior feminino. 4º no adulto feminino umas 5 vezes.Quarto no Bras. Juvenil em SP. Fomos campeões e vice em vários centro-oeste e Norte-nordeste. Cheguei a ter 8 atletas na seleção feminina. Fomos vice nos Jogos da juventude no feminino e 2 vezes 3º no masculino.

Dai fiquei sem piscina por 2 anos, tendo que começar tudo de novo e trabalhando sozinho, Meu time contra meu time, fica difícil. Atualmente acho muito interessante o polo social, mantemos um grupo forte e quase unido”

Em 1995 no JUB´S de Fortaleza a equipe de pólo de Brasília foi medalha de ouro. Dessa equipe três atletas foram à Universíade de Fukuoka. No final da década de 90 e começo dos anos 2000 haviam na cidade dois times adultos fortes e rivais e idem no feminino. Das meninas algumas chegaram a seleção como a Laura, a goleira Ciça e Carol titular da adulta até hoje e jogando pelo Pinheiros.

Em 2000 ficamos completamente sem piscina para treinar/jogar, e passamos a fazê-lo no lago Paranoá, onde fizemos 3 torneios e vivemos uma fase maravilhosa do pólo aquático brasiliense. No último sábado 05/05 jogamos lá de frente para a casa do sr. Lula e ponte JK num visual maravilhoso.

Atualmente existe em Brasília um aglomerado de atletas que treinam ou não, e se juntam para jogar os coletivos quase sempre mistos e campeonatos como o Circuito. O Circuito aliás, só fortaleceu o movimento local e a rapaziada já participou de 3 das 4 etapas já realizadas. Muitas coisas já foram feitas para se conseguir apoios e patrocínios. A ultima competição CBDA que fomos foi a Copa Brasil em Curitiba em maio de 2005, quando disputamos o ‘título paralelo’ de melhor fora do Rio/SP contra Goiânia e Curitibano.

A renovação se dá a passos lentos, mas existe. Ela é conduzida sempre pelo incansável professor Paulo Pita na piscina do DEFER com alunos que pagam R$60 por semestre e sempre surgem boas novidades no masculino e feminino.

Chapada

O torneio da Chapada dos Veadeiros é realizado desde 1995 no poço da cachoeira São Bento e é o ápice do pólo local. Todos acampam perto do rio e jogam no lugar que é com certeza o mais bonito do mundo a receber partidas de pólo aquático. Já tivemos participação dos times paulistas (Pinheiros e Paulistano), de um time carioca liderado pelo goleirão Pará, que inclusive já jogou pelo nosso time dando lições inesquecíveis e se tornando um grande amigo. Outros anos tivemos participações da inestimável galera de Floripa, de Curitiba e São Carlos, além da rapaziada de Goiânia sempre presente.

Aqui em Brasília é difícil um coletivo não acabar em churrasco, viola e cerveja. A rapaziada é muito unida e é o que segura o nosso esporte. Esperamos poder passar essa vibração pra galera do Circuito na chapada, pois esse com certeza será o melhor torneio de todos os tempos no rio dos couros.

quinta-feira, maio 17, 2007

Chapada vai bombar!

Hoje tem festinha em Brasília. Conhecendo a "família" tenho certeza que vai ser demais. Lembro até que em Natal marquei com Sari, Adriana, Camarão e galera umas programações que não rolaram pela chuva ou porque chapei. Essa de hoje vai ser demais com certeza.
Além de festa, eles são bons de organização também. Segue um boletim rápido:

- eles estão se organizando em reuniões com as hospedagens da Chapada pra repassar a todos as opções de preço.
- estão também buscando uma agência que perceba a oportunidade de lucro e crie pacotes de passagens aéreas.
Ou seja, ainda este mês deveremos ter esses dados. Estamos também levantando a possibilidade de fazer um pequeno documentário sobre o evento e seus participantes.

Eu já me candidatei àquela rede ali após o almoço. Fantástica essa foto. Obrigado aos blogs do Fluminense e El Cuervo pelo espaço concedido.

quarta-feira, maio 16, 2007

Promessa cumprida

Está no ar o maravilhoso gol de Hatzitheodorou prometido ontem pelo El Cuervo. Hoje à noie vai ter muita gente no treino dizendo que já fez ou tentando fazer igual.



Melhores momentos

Simplesmente adoro esses boletins que a Water Polo Association faz da divisão de honra espanhola.



Ao todo os caras postaram dez resumos desses por enquanto. Se estiver de bobeira, dá uma fuçada por lá. E hoje o blog El Cuervo está prometendo postar um gol jamais visto. Vamos esperar.

terça-feira, maio 15, 2007

Diego mata a pau! (mais uma vez)

O bilhete acima foi mais uma criativa idéia do baiano Diego, um dos sócios da agência Rinha Comunicação Total, ano passado, antes da etapa em Salvador. Ele conseguiu nesse evento um retorno de mídia fabuloso. Além de ter visto na Globo várias vezes, confirmei porque todos os táxis que peguei sabiam do evento. Pra confirmar, entre no Blog do Polo Aquático da Bahia, e confira o post "Valeu Galera! 2ª Etapa foi mais uma vitória do Polo".

Ainda tem mais: embora o Polo Aquático baiano tenha jogadores de muito potencial, ele passa pelo mesmo problema que nós aqui no Ceará: não consegue motivar um mesmo grupo a se manter treinando coeso. Sabe o que acontece? Em vez de se lamentar, o cara pega avião pra onde for, sozinho, ou com algum amigo, e se tiver evento de Polo Aquático, ele se entrosa e joga amarradão em algum time. Dessa vez ele e Luan deram o prazer não apenas de jogar com a gente, mas participaram de todas as atividades com a rapaziada.

Se não fosse o Circuito, o Diego seria mais um frustrado, por não ter onde jogar. Hoje está feliz da vida, assim como nós, torcendo pra chegar logo a Chapada. O vídeo que ele fez está impagável. Nada até agora mostrou tão bem o que foi a segunda etapa de Natal. Tem amigas e amigos de várias partes do Brasil se divertindo aí. Até o El Cuervo foi homenagedo. Aposto que você, seja de onde for, vai identificar pessoas conhecidas e vai se divertir.

segunda-feira, maio 14, 2007

"Leprentos" rulz!



Essa molecada é simplesmente fantástica, são todos gente fina e não têm medo de nada. O que nós pudermos fazer por eles, nós faremos, afinal eles são a verdadeira esperança de desenvolvimento do Polo Aquático no Ceará. Vencer a geografia que nos isola tanto não será fácil, mas a gente tem que dar jeito.

Parabéns ao "tio Jefferson" pelo vídeo.

El Cuervo salva

Tô aqui com quase 40 de febre. Ainda bem que o El Cuervo não pára de trabalhar pra não passar batido.

Golaço de Silipo no último segundo


Golaço do Sapic


Final de Europeu bem animada entra Itália e Iugoslávia.

sábado, maio 12, 2007

Meninas super rubro-negras

Tá saindo um vídeo mais legal que o outro por lá. Tomara que a produção de vídeos aumente. Dá uma olhada nesses dois.



quinta-feira, maio 10, 2007

Não existe fronteira

Você não sabe que time é esse acima? É uma pena, mas isso tem chance de mudar. A foto com os nomes de todos os jogadores da seleção brasileira que disputou os jogos olímpicos, e outras fotos, você encontra no blog grego Water Polo Legends. Ele, por sua vez, tirou do Blog do Fluminense.

Pois é verdade, além dos blogs brasileiros atuarem todos dentro de suas especifidades, mas em sistema de irmandade, sem competição nem vaidade, temos agora o contato direto por email com o El Cuervo (Espanha), Water Polo Tuga (Portugal) e o grego Water Polo Legends.

Sabe onde isso vai parar? Não vai parar. Parado já ficou muito tempo. A cada dia mais gente percebe que o caminho é realizar por si só em sua região e se unir em intercâmbios através das novas ferramentas de comunicação. Crie o seu blog, compartilhe seus conhecimentos, mostre o Polo Aquático do seu clube ou região.

Isso tudo é só o começo.

Urubu

Muito bom saber que o Blog do Polo Aquático do Flamengo voltou com tudo. Mais uma excelente fonte de informações. O vídeo abaixo com a cracaça espanhola Blanca Gil (sem piadas com a filha do ministro...), produzido pelo El Cuervo, veio de lá.



Além da Ilana, Marina Canetti tem colaborado com vários vídeos legais, como esse da arquibancada a semifinal de Melbourne no jogo entre Croácia e Sérvia.



Marina também atualiza o Long Beach Water Polo, sempre com notícias e vídeos muito legais.

Rio Masters


Acredito que a lição mais importante que o Rio Masters deixou em sua participação em Natal foi que o Polo Aquático é simples, e deve ser jogado sem precipitação. Fora d´água eles, como todos, se divertiram como se fossem crianças. Esse é o espírito do Circuito.

Agradecemos ainda a gentileza expressada em presentes. Canetti, assim que chegou, entregou uma caixa de bolas para o Thiago. Pelo que entendi, foi enviada pela CBDA. Nós também recebemos valiosos presentes: duas camisas do Rio Masters, uma sunga do Fluminense presenteada por Wilson Fialdini, e outra da Espanha, doada por Kiko Perrone.

Hoje a molecada vai se reunir para assistir aos jogos da Espanha no Mundial, gentilmente cedidos por Ricardo Perrone, e concorrerão ao sorteio das peças. Duvido que alguém falte.

Boa sorte a todos.

quarta-feira, maio 09, 2007

Tribuna Livre - Allemander

Allemander está de sunga azul abaixado com o Ricardinho na foto da equipe Rio Masters

Entre 1971 e 1977 Allemander foi goleiro da seleção brasileira e, por duas temporadas, durante seus cursos de mestrado e doutorado (presta atenção quem diz que não tem treina por que não tem tempo!), atuou no Polo Aquático canadense. Nem toda essa experiência impediu que Allemander se sentisse felicíssimo num evento sem nenhuma importância oficial. Além de dar um show dentro da água, sua gentileza e tranquilidade também impressionaram a todos fora da piscina. Ele nos mandou suas impressões e sugestões fundamentais pra mantermos a evolução do Circuito.


Prezado Hélcio Brasileiro


Não poderia deixar de parabenizá-lo juntamente com o Thiago (RN), Sari (DF), Diego (BA) e Fred (PE) pela evolução do Circuito Brasileiro de Polo Aquático, desenvolvido com grande esforço pessoal de vocês e dos atletas dos seus respectivos Estados.


Sem dúvida, o Circuito Brasileiro de Polo Aquático vem se constituindo na melhor iniciativa, independente do envolvimento da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), voltada para a difusão do esporte e para a formação de base, em termos nacionais de jogadores fora do eixo Rio-São Paulo.


As Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste de nosso país poderão vir a se tornar grandes celeiros de expoentes do polo aquático nacional (vejam o exemplo do nosso querido amigo Leo Vergara - Paraíba), devido às suas características climáticas e à histórica bravura de seu povo, além de serem dotadas de inúmeras piscinas e excelentes condições para a prática do polo aquático o ano inteiro.


Tenho certeza que os jogadores do passado, participantes do Rio Masters, estarão cada vez mais presentes nas futuras etapas do referido Circuito, buscando colaborar para a evolução técnica da competição, além de sedimentar a amizade e dedicação que nos une ao esporte de nossas vidas.


Gostaria de sugerir que durante as etapas do Circuito Brasileiro de Polo Aquático sejam programadas algumas “clínicas”, aproveitando talvez duas horas por dia, para apresentação de aspectos técnicos de interesse para os jogadores, goleiros, técnicos e juízes, de forma a ampliar e difundir métodos e conceitos utilizados nos maiores centros do polo aquático no Brasil e no exterior. Assim, a experiência internacional de ex-jogadores da seleção brasileira como o Perrone, o Luizinho, o Solon e tantos outros poderiam ser repassadas aos companheiros, que estão, atualmente, praticando o nosso esporte nas equipes dos Estados participantes das etapas do Circuito.


Torna-se também importante aproveitar as reuniões (formais ou não), durante as etapas do Circuito, de forma a permitir uma constante troca de idéias quanto as mudanças que se fazem necessárias para que o polo aquático brasileiro consiga atingir o mesmo estágio de desenvolvimento já alcançado em outros esportes coletivos (voleibol, basquete, handbol), com ou sem a participação e/ou apoio da CBDA. Nestas reuniões poderíamos, gradualmente, formalizar uma proposta de estrutura e delinear o processo de consolidação visando uma nova organização do polo aquático brasileiro, identificando claramente os problemas, alternativas e soluções, bem como os custos e as fontes de receitas para implementarmos as modificações requeridas no cenário atual.


Finalmente, gostaria de me colocar a disposição para contribuir nesta fase de evolução do polo aquático brasileiro, que vem ocorrendo da base para o topo. Creio que congregando os atletas, técnicos e juízes, do presente e do passado, que realmente amam o esporte e não somente se beneficiam dos meios disponíveis, poderíamos unidos conseguir superar os obstáculos que dificultam há várias décadas a evolução e o sucesso do polo aquático brasileiro.


Um forte abraço.

Allemander J. Pereira Filho



No vídeo o Ronald, mais novo "discípulo de Allemander", em seu primeiro jogo, pega o pênalty cobrado por uma dos maiores craques do brasileiros dos últimos 30 anos.


PS


terça-feira, maio 08, 2007

Tribuna Livre - Zezinho (Sergipe)

Zezinho é o de camisa branca na foto acima. Antes de tudo é um cara muito gente fina, e louco por Polo Aquático. Ano passado ele conseguiu uma matéria enorme, de uns 5 inacreditáveis minutos, na TV Globo local. Esse ano conseguiu colocar em prática um Circuito local com 3 etapas e seis times. E quer mais. Ah, além disso, ele toca num assunto que tem despertado polêmica: o Polo Aquático deve se desvincular da CBDA e criar sua própria confederação ou isso é uma utopia inviável? Comente e, se quiser enviar uma artigo, mande pra helcio@fundamentalconteudo.com .

Caros Amigos,


GOSTARIA DE COMENTAR TUDO QUE JÁ FOI DITO E EXPRESSAR MINHA OPINIÃO PESSOAL. MORO EM ARACAJU, CAPITAL DO MENOR ESTADO DO PAÍS, E APESAR DE ESTARMOS TÃO DISTANTES DE ONDE ACONTECE OS PRINCIPAIS FATOS RELACIONADOS A NOSSO ESPORTE, TEMOS COMO APAIXONADOS PELO PÓLO AQUÁTICO, UMA PREOCUPAÇÃO CRESCENTE COM O FUTURO DO ESPORTE NO PAÍS.


ACHO QUE O PROJETO CBPA É UM SONHO DISTANTE, PELO MENOS POR ENQUANTO, JÁ QUE PARA TAL PRECISARÍAMOS ESTAR RESPALDADOS POLITICAMENTE PELOS CLUBES, ALÉM DE ACARRETAR UMA BRIGA POLÍTICA E JURÍDICA LONGA, A QUAL TENHO DÚVIDAS SE SERÍAMOS RECONHECIDOS PELO COB OU PELA FINA.


CONCORDO COM AS COLOCAÇÕES DO LUIZINHO E ACHO QUE A INTERFERÊNCIA DE INTERLOCUTORES QUE COLOCASSEM FRENTE A FRENTE TODOS INTERESSADOS SERIA INTERESSANTE. GOSTARIA DE COMPARTILHAR ALGUMAS INICIATIVAS QUE ESTAMOS DESENVOLVENDO: NÓS AQUI ESTAMOS TENTANDO FAZER ALGO A NÍVEL LOCAL E ACHO QUE O PASSO PRIMORDIAL É O FORTALECIMENTO DE NÚCLEOS REGIONAIS MONTANDO ESCOLINHAS, FAZENDO CLÍNICAS DE ARBITRAGEM E TREINAMENTO, PARA TENTAR AGREGAR MAIS ESTUDANTES E PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA AO NOSSO ESPORTE.


ESTAMOS PRESTES A IMPLANTAR O PRÓ-PÓLO PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PÓLO AQUÁTICO EM SERGIPE. UM DOS PRINCIPAIS VÉRTICES DESSA INICIATIVA É A CRIAÇÃO DE UMA ESCOLINHA PARA 160 ALUNOS NA FAXA ETÁRIA DE 10 A 15 ANOS, MATRICULADOS NA REDE ESTADUAL DE ENSINO. ESTABELECEMOS UMA PARCERIA ENTRE A FEDERAÇÃO LOCAL, QUE DISPONIBILIZARÁ O MATERIAL ESPORTIVO (BOLAS PRINCIPALMENTE), E O GOVERNO DO ESTADO, QUE ATRAVÉS DA SECRETARIA DE ESPORTE NOS CEDERÁ O ESPAÇO FÍSICO (A PISCINA), E A SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PARTICIPARÁ CEDENDO DOIS PROFESSORES.


O PROJETO PREVÊ AINDA A CRIAÇÃO DE NÚCLEOS REGIONAIS NAS CINCO MACRO-REGIOES DO ESTADO E UM CURSO DE CAPACITAÇÃO EM DOIS NÍVEIS, ELABORADO COM APOIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, QUE SERÁ OFERTADO AOS PROFISSIONAIS DA ÁREA. NESSE ANO DE 2007 JÁ TEMOS UMA CIRCUITO COMPOSTO POR TRÊS ETAPAS, ONDE NA PRIMEIRA ETAPA PARTICIPARAM SEIS EQUIPES, TODAS COM TREZE ATLETAS INSCRITOS E A PESPECTIVA DE CONSEGUIRMOS MAIS DUAS EQUIPES ATÉ O SEGUNDO SEMESTRE.


LOGICAMENTE O NÍVEL TÉCNICO NÃO É DOS MELHORES, MAS PRA QUEM ESTAVA A BEIRA DA EXTINÇÃO ACHO QUE ESTAMOS NO RUMO CERTO. QUERIA REFORÇAR A NECESSIDADE DE ATITUDE, DE NADA ADIANTA FICAR RESMUNGANDO E CRITICANDO, A AÇÃO E UM REMÉDIO MAIS EFICAZ E QUE TRARÁ COM CERTEZA O CRESCIMENTO DO PÓLO AQUÁTICO COMO UM TODO. APROVEITO PRA ME COLOCAR À INTEIRA DISPOSIÇÃO PARA QUALQUER COISA QUE SE RELACIONE COM O PÓLO.

OBRIGADO.

JOSÉ DE ALENCAR M. CARDOSO (ZEZINHO)

segunda-feira, maio 07, 2007

Copa Caju

Sergipe, o menor estado do Brasil, está dando exemplo. Os aficcionados pelo Polo Aquático se uniram à federação local e estão realizando um circuito de seis times com três etapas. A primeira etapa foi a Copa Caju, vencida pelo Muquifo, time dirigido pelo nosso amigo Zezinho. Em segundo ficou o Graccho Club, do Thiago Davis, professor Luis e com o reforço do onipresente baiano Diego. O Blog do Polo Aquático de Sergipe tem várias fotos.

O legal é que é aberto a todos, tem desde meninos a masters jogando juntos. Vamos torcer para que a federação, que está dando o bom exemplo de apoiar o Polo Aquático, não condicione a realização desses eventos com a não-participação de Sergipe nas etapas do Circuito.

Aliás, fica aqui um aviso a todos do norte-nordeste. Quem quiser ir pra Chapada em setembro, e não conseguir fechar um time, não se preocupe. Time não vai faltar.

PS. Outra excelente notícia é a volta do Blog do Polo Aquático da Paraíba. Sugiro ao amigo Alessandro, pra marcar o retorno do blog, uma entrevista com o Zé Marcio.